Série ‘Invasão de Privacidade’ aborda exposição pela internet e rede social

29/06/2015 16h31, Do G1 Itapetininga e Região

Tema é o primeiro de cinco episódios produzidos pela TV TEM Itapetininga.
Especialistas falam sobre a relação da net com segurança, trabalho e ideias.

Sem título

Reportagem exibida em 29/06/2015, disponível em http://g1.globo.com/sao-paulo/itapetininga-regiao/noticia/2015/06/serie-invasao-de-privacidade-aborda-exposicao-pela-internet-e-rede-social.html

A série “Invasão de Privacidade”, produzida pela TV TEM Itapetininga (SP), aborda a exposição da vida íntima atualmente. A primeira reportagem, exibida nesta segunda-feira (29) destaca a internet. Segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 85 milhões de pessoas estão conectadas à rede mundial e para acessar as redes sociais e se cadastrar em provedores de e-mails, é preciso passar dados pessoais a algum desconhecido.

Número de pessoas que usam a net pelo celular creceu 65% em um ano, diz Ibope (Foto: Reprodução/ TV TEM)

Número acesso pela net via celular creceu 65% em um ano, diz Ibope (Foto: Reprodução/ TV TEM)

 A criação da World Wide Web, termo em inglês que significa grande rede mundial, definir a navegação online completa 26 anos em 2015. Desde que surgiu, uma revolução. Hoje em dia o mundo está na palma da mão através dos smartphones espalhados entre pessoas de várias classes sociais. Entre os milhares de aplicativos há aqueles que lembram até quando tomar água e outros detalhes básicos do dia a dia.

Segundo pesquisa feita pelo Ibope, de 2013 para 2014, o número de pessoas que acessam a internet pelo celular no Brasil aumentou 65%. Desses, 94% disseram que utilizam as redes sociais. São nas redes que a privacidade, enfim, é abandonada por completo. Um exemplo é a blogueira Taciele Alcolea, que partindo de um vídeo onde mostrava o próprio quarto conseguiu estabilidade financeira com o blog.

 “Quando eu comecei a galera queria saber sobre mim, o que uso, gosto. Esse é o diferencial de você trabalhar com a internet. É passar informações, ensinar coisas legais, mas você também dividir sua vida. Como um reality. Elas (leitoras) acompanham desde o meu casamento, a minha mudança para São Paulo, tour pelo apartamento, tour pela casa, viagens, cada passo da minha viagem. Então é assim, a minha vida é uma revista aberta”, afirma Taciele.

Compartilhamento de dados
As facilidades da rede mundial expõem a diversos riscos invisíveis e silenciosos. O especialista em segurança na internet Paulo Pagliusi lembra que é preciso conhecer os perigos e ficar atento. “Hoje quando você posta algo na internet, numa rede social, a coisa ganha vulto, ganha proporção, que você não sabe mais onde vai parar. Não tem mais a marcha ré. É possível que você se veja tendo lançado informações sensíveis sem querer e em algum momento essas informações podem ser usadas por um ‘cyberatacante’.”

Vidas particulares da blogueira Taciele Alcolea e marido estão espostas (Foto: Reprodução/ TV TEM)

Vidas particulares da blogueira Taciele Alcolea e marido estão expostas (Foto: Reprodução/ TV TEM)

O grande perigo é que as informações compartilhadas na internet ficam armazenadas em uma central de dados online, conhecida como nuvem. Da nuvem vai direto pra tela do celular ou de qualquer outro dispositivo que permita o acesso a internet, ressalta Pagliusi.

O coordenador de sistema de informação Rodrigo Tafner salienta outro fato que aponta a falta de privacidade. São os ‘cookies’, rastros dos arquivos pesquisados na busca online. Eles são responsáveis por facilitarem o internet a encontrar o que procura.

“Quando uma pessoa visita ‘meu’ site e esse site registra num cookie essas informações, quando eu volto a anunciar aquele mesmo produto para essa pessoa, essa estratégia é chamada de retargeting. Ou seja, targeting é quando você tá mirando num usuário. Então você mirou naquele usuário e trouxe ele pra sua loja. Ele viu, mas não comprou. Então vou mirar de novo nele, porque ele já meu indicativos de que ele quer aquele produto”, explica.

No caso das redes sociais e dos sites de busca, todo conteúdo publicado fica retido na nuvem e pode ser utilizado para diversos fins, pré-estabelecidos pelos termos de uso. “Os termos de uso regulamentam a relação entre um provedor de serviços e o seu usuário. Então, seria muito imprudente que um a empresa na internet passasse a funcionar sem nenhum tipo de regulamentação”, conta Mônica Steffen Guise Rosina, coordenadora de ensino em inovação digital  da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

 

 Sem títuloDo virtual a realidade
Na velocidade de um clique, tudo o que antes era privado, agora pode ser público. Uma realidade que impressiona e assusta. Uma jovem que não quer se identificar teve fotos nuas compartilhadas pela net há sete anos. A jovem que prefere não se identificar, por constrangimento, conta que enquanto os amigos queriam sair, a vontade era de se esconder do mundo. “Meu medo era de sair na rua, meu medo era de ser vista. Eu olhava para um lado ou outro e as pessoas iriam estar me observando. Não sabia se elas tinham visto as fotos, mas pra mim todo mundo tinha visto”, diz.

A psicóloga Andréa Jotta, professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Puc-SP), faz um alerta sobre os danos causados por esse tipo de trauma: “Quanto mais novas essas pessoas forem, mais influência isso vai ter na formação. Quando a gente está falando de um adolescente superexposto, a gente está falando de uma marca num momento da vida dele em que ele já se acha muito exposto. Essa pessoa começa a ver o mundo como um lugar muito mais ameaçador do que se ela tivesse tido um crescimento que a gente chama de saudável.”

Direitos na internet
O advogado de direito digital Leandro Bissoli comenta que o anonimato da web é uma ideia abstrata. Os internautas são responsáveis por suas ações e pode ser penalizado por tal ato. “Tanto o autor da obra, o fotógrafo, quanto a pessoa que foi retratada, eles têm os seus direitos e devem ser preservados. Não é porquê está na internet, que pode utilizar. Então, se você identificar um uso indevido, você tem artifícios tanto extrajudiciais, solicitando a exclusão, como judiciais de  solicitar a exclusão da imagem e uma indenização pelo prejuízo causado.”

Redes sociais têm políticas para frear invasão de dados (Foto: Reprodução/ TV TEM)

 Rede Social e trabalho
As redes sociais podem se tornar uma grande armadilha quando o assunto é emprego. Em outubro de 2012, por exemplo, uma concessionária de motos de Jundiaí (SP) demitiu por justa causa um dos funcionários por curtir comentários ofensivos à empresa e a uma das sócias da companhia em rede social.

“Curtiu um comentário, compartilhou, encaminhou? Cocê é corresponsável por aquele comentário. Então, se existe uma ofensa, uma agressão, uma foto ofendendo alguém, você curte aquela foto, aquele comentário, você comenta de forma positiva, concordando com aquilo, você também é responsável”, alerta o advogado José Carlos Francisco Filho, da comissão de crimes digitais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Sorocaba (SP).

A empresária Fernanda Buratini é outro exemplo da relação entre web e trabalho. Ela usa as redes sociais pra buscar informações sobre os funcionários e antes de contratar, sempre checa os perfis dos candidatos. “Primeiro lugar como ele sabe lidar com a ferramenta. Depois logo em seguida vem a questão da privacidade: Como que ele sabe lidar com o não se expor ao extremo, manter sigilo porquê ele vai precisar disso no dia a dia dele profissional”, revela.

Internet + ideias = polêmica
O padre excomungado Roberto Francisco Daniel, mais conhecido como Padre Beto, foi excomungado da Igreja Católica em novembro de 2014 depois de divulgar vídeos na internet em que aparece defendendo temas como a união de homossexuais, fidelidade e necessidade de mudanças na estrutura da igreja católica. Segundo ele, a internet teve grande influência em todo processo.

Sem título“Eu pude sim, através da internet, primeiro esclarecer o que estava acontecendo comigo. E segundo, levantar um debate. Eu posso expor uma ideia e posso ser criticado por essa ideia. Eu acho que ela (a internet), mais do que tudo, mais do que as ideias, ajuda a sociedade a como tratar com a crítica. Como eu abro uma discussão, de que forma eu faço o comentário? Então, eu acho que esse exercício é o mais importante do espaço online””, conta.

O preço de viver conectado pode ser alto e o bom senso seja o caminho pra evitar que a vida online invada a off-line, opina Mônica Steffen Guise Rosina, coordenadora de ensino em inovação digital da FGV. “Precisa encontrar um equilíbrio entre proteger a privacidade do cidadão, mas ainda assim viabilizar modelos de negócios que garantem o acesso das pessoas de forma geral a esses produtos e serviços. Se todos os serviços forem pagos, eu vou ter uma grande parcela da população que vai deixar de acessá-los. Por outro lado, eu também preciso resguardar algum tipo de privacidade. O grande desafio está em encontrar esse equilíbrio”, conclui.

 

Padre excomungado Beto ressalta importância da web para a reflexão (Foto: Reprodução/ TV TEM)

 

Fonte: http://g1.globo.com/sao-paulo/itapetininga-regiao/noticia/2015/06/serie-invasao-de-privacidade-aborda-exposicao-pela-internet-e-rede-social.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *