Série ‘Invasão de Privacidade’ aborda atuação de câmeras no trânsito

01/07/2015, Do G1 Itapetininga e Região

Equipamentos geraram grandes avanços em segurança, dizem especialistas.
Tema é o terceiro abordado em série produzida pela TV TEM Itapetininga.

Reportagem exibida em 01 de julho de 2015, disponível em http://g1.globo.com/sao-paulo/itapetininga-regiao/noticia/2015/07/serie-invasao-de-privacidade-aborda-atuacao-de-cameras-no-transito.html

A série “Invasão de Privacidade”, produzida pela TV TEM Itapetininga (SP), aborda a exposição da vida íntima atualmente. O terceiro episódio, exibido nesta quarta-feira (1°), aborda a atuação de câmeras de monitoramento no trânsito. Elas são capazes de agilizar atendimento em caso de acidentes em rodovias, controlar o tráfego por meio de semáforos nas grandes cidades, e também para flagrar irregularidades como excesso de velocidade.

Seja nas ruas e avenidas das cidades ou nas rodovias, as câmeras estão em vários pontos monitorando todos os movimentos. Elas já são muitas e substituem a presença de policiais e fiscais. O método começou a fazer parte do cotidiano há alguns anos, conta o especialista em segurança no trânsito Eduardo Biavati. “O atual código de trânsito ele inaugurou em 1997 esse período que nós estamos vivendo, de uma crescente vigilância eletrônica da conduta dos motoristas, dos vários tipos de veículos.”

Algumas grandes cidades do mundo, como a capital paulista, somam mais de 1 milhão de câmeras de monitoramento nas ruas. Os olhos eletrônicos estão por toda parte, até mesmo em lugares pouco prováveis. Uma pessoa que sai de casa cedo, por exemplo, e volta no fim do dia pode ser gravada em média 50 vezes.

Atuação nas estradas
O estado de São Paulo tem mais de 700 equipamentos espalhados pelas rodovias. Em alguns locais, já substituem os telefones de emergência e detectam a necessidade do usuário sem qualquer contato prévio.

Sistema de monitoramento auxilia trabalho em rodovias (Foto: Reprodução/ TV TEM)

O diretor de operações da Agência Reguladora de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), Giovanni Pengue Filho, ressalta a importância dos aparelhos. “Hoje principalmente as informações que chegam pelas câmeras é qualquer questão que afete o fluxo normal da rodovia. Esse é o objetivo principal das concessionárias. Elas detectam, por exemplo, quando você tem uma interdição, ou um veículo parado. Além disso, qualquer objeto que possa levar insegurança para o usuário”, diz.

A concessionária CCR AutoBAn em Jundiaí (SP) é responsável por administrar o sistema de Rodovias Anhaguera-Bandeirantes. São 316 quilômetros de extensão, por onde passam mais de 800 mil veículos diariamente. Pelo local, 98 câmeras estão espalhadas tornando o atendimento das ocorrências mais rápido e eficiente, salienta o gestor de interação com o cliente, Fabiano Adami.

As imagens são geradas em tempo real para um painel de uma central de monitoramento. E permitem que os agentes do outro lado da tela, tomem as providências necessárias. O que significa um socorro mais rápido e um impacto menor no trânsito, afirma Adami. “Qualquer sinal captado por essa equipe, através das nossas câmeras, eles acionam prontamente as nossas equipes em campo, através de rádio que nós temos nas nossas viaturas. E elas se deslocam até o local pra atender o nosso usuário ou a demanda necessária do trecho.”

Segurança e leis
A tecnologia é capaz de mostrar de perto quem está longe. Dispositivos de GPS são usados por empresas pra monitorar a frota. Segundo o gerente de produtos Rodrigo da Silva, dá para acompanhar em tempo real o deslocamento de cada veículo, além de ter acesso a outras informações importantes. “Quilometragem inicial, final, a viagem que ele tá fazendo. A medida que o funcionário vai rodando com o veículo, vai utilizando o veículo, o sistema vai registrando isso, para o devido controle de gestão da frota.”

Em Sorocaba, agentes verificam trânsito em central de monitoramento (Foto: Reprodução/ TV TEM)

Hoje ninguém mais passa despercebido no trânsito. As placas do carros funcionam como uma espécie de documento. A combinação de letras e números é na verdade uma identificação mais ampla, que permite aos órgãos reguladores terem acesso ao nome, endereço, RG e CPF do dono do veículo, além de detalhes do ano, modelo e até cor do carro.

É possível saber até se o carro é roubado ou furtado e está com o licenciamento em dia. O Detran do Rio de Janeiro, por exemplo, conta com um sistema capaz de identificar pela imagem da placa se o veículo está ou não em dia com o IPVA. essa imagem é cruzada com um banco de dados, que aponta a situação do licenciamento do veículo.

Caso uma infração seja flagrada, uma foto da placa é tirada imediatamente e a autuação chega na casa da pessoa cadastrada como dona do veículo. Foi o que aconteceu com a assistente administrativo Cristiane Rodrigues. A moradora de Avaré (SP) recebeu uma multa por excesso de velocidade, enquanto dirigia pela Rodovia João Mellão (SP-255). “Foi uma sensação estranha, assusta um pouco pela facilidade de acessar nossas informações. Mas, por outro lado a gente se torna um pouco mais seguro.”

 Sem títuloNa prática

Sorocaba(SP) é uma das cidades mais vigiadas da região. Além dos mais de 150 radares, são 45 câmeras de vídeo monitoramento de trânsito espalhadas em pontos estratégicos da cidade. As câmeras possuem rotação de 360° e enxergam onde os olhos muitas vezes não conseguem ver.

As imagens são analisadas pelos agentes de trânsito em uma central, o que permite ações rápidas, ressalta o diretor de trânsito Carlos Eduardo Pasquini. “Temos uma central semafórica, que se o agente observar que o fluxo viário em uma determinada via está muito grande, ele tem condição de mudar o tempo do semáforo e facilitar o trânsito para aquela localidade.”Sem título

Desde que as câmeras começaram a ser implantadas, há 6 anos, o número de acidentes com morte em Sorocaba caiu  30%, diz a empresa responsável pelo trânsito. Em 2009, foram registradas 62 mortes e em 2014 esse número caiu para 44.

Por mais que, em alguns casos, as câmeras invadam a privacidade, no trânsito contribuem para a segurança, já que são as imagens que ajudam na investigação de acidentes e registram irregularidades praticadas pelos motoristas, afirma o especialista em segurança no trânsito Eduardo Biavati. “No espaço público, embora o carro seja seu, você está no espaço público, seguindo uma regra da coletividade. O jogo é esse. Sua privacidade, para por aí.”

 

 

Radares e câmeras estão inseridas no cotidiano e às vezes passam despercebidos (Foto: Reprodução/ TV TEM)

 

Fonte: http://g1.globo.com/sao-paulo/itapetininga-regiao/noticia/2015/07/serie-invasao-de-privacidade-aborda-atuacao-de-cameras-no-transito.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *